Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rapariga com Sol

" Há pessoas que transformam o Sol numa mancha amarela, mas há aquelas pessoas que fazem de uma simples mancha amarela o próprio Sol " Pablo Picasso

Rapariga com Sol

" Há pessoas que transformam o Sol numa mancha amarela, mas há aquelas pessoas que fazem de uma simples mancha amarela o próprio Sol " Pablo Picasso

27.07.16

A Ciência da Barata


Margarida

dumdumarmadilhabaratas_290514_1401357090_36_.png

 

 

 

Dizem-se cientistas, são de um país longinquo e estranho, onde se convive bem com a porcaria. 

São oligofrénicos, embecis assumidos, estupidos à nascença e dizem que " leite de barata é o novo suplemento nutritivo" Chiça!

Barata por baratas, prefiro a da Clarice Lispector.

 

As noticias sensacionais do Sapo. Só pode ser de preposito para a malta rosnar.

 

 

 

 

25.07.16

C'est la Vie !


Margarida

 

 

Desde sempre, já em rapariga era assim, homens e deuses ou me amam ou me odeiam.

E, para isso, homens nem precisam me conhecer pessoalmente, um escrito, um disse, uma calhandrice de comadres bastam.

Já com os deuses, é uma questão milenar que, presumo, mais milénio menos milénio se irá resolver, sabe-se lá como.

Como diz a cada 5 minutos uma doentinha de estimação, " a minha mãe é que não gostou nada do meu casamento " para rematar sempre de igual modo " c'est la vie ".

E na verdade é.

E, é porque vivo, que me amam e pelo mesmo motivo que me odeiam. Faço por isso. Os meios termos, meias razões, meios de meios, o não és quente nem frio, por isso te vomito, horrorizam-me.

No tal c'est la vie de todos os dias, recebemos de volta o que semeamos, e eu, nunca pretendi ser perfeita, aliás desconheço isso da perfeição. Por uma estranha razão, enfim! não assim tão estranha, à gente desconhecida que me completa e amo e outros que me irritam solenemente, não chego ao ódio, claro! mas bano formalmente do meu pensamento, do meu sentir. Raramente me engano, como dizia o outro, mas às vezes tenho " o desgosto " de pôr de lado alguém que admirava por razões concretas mesmo à distância sentidas, e que um dia à cause de uma discordância se me engalfinharam.

Um dia, vi uma mulher que até então admirava, dar uma entrevista e às tantas referir-se " aos fluidos sexuais na velhice ". Coisa normal, penso eu, mas, vá-se lá saber porquê, naquele dia enumerei-lhe todos os defeitos ; velha rapioqueira, gorda senil convencida, tudo, mesmo o que até então admirava nela foi pr'o galheiro.

Para comprovar o meu sentimento e num acto de sadismo atroz, comprei o último livro da dita.

Comprovei que o nosso amor morreu, que a sua escrita está morta e enterrada para mim.

Ontem, deixei todos os seus livros num banco de jardim.

 

 

 

23.07.16

António Inverno


Margarida

IMGP0363.JPG

 

 

 

 

Um dia, fui à Rua da Emenda e depois de acertar um preço, trouxe de lá este quadro que juntei com muito orgulho à minha pequena colecção de pintura.

 

O preço foi mais que justo. O Pintor chama-se António Inverno, morreu ante ontem. Para mim continuará vivo sempre que olhar a sua obra.

 

São assim os Mestres, vivem na eternidade através da sua arte na nossa memória.

 

Paz e Luz, Mestre Inverno.

 

20.07.16

A Magia De Ser Mulher


Margarida

The-ÔEarlier-VersionÕ-as-the-portr-ait-of-Lisa-d

 

 

" Não existem respostas mágicas, nem atalhos para alcançar a realização. Termino este livro, cheia de frio, com um saque a descoberto e um lavatório que verte. Sinto-me mais feiticeira do que as altas sacerdotisas, quando olho desanimada para o monte de roupa que tenho para lavar e para o céu cinzento.

Mas a magia começa quando a realidade ameaça sobrepor-se à alegria, quando a confiança se desvanece e as dúvidas preemchem as horas, antes da madrugada. A magia fala do riso; das lágrimas, de ser mulher, de tentar com muito esforço fazer tudo o que é necessário e ainda existir, livre e amada, e ao mesmo tempo com um sentimento de plenitude dentro de si. "

 

Cassandra Eason

 

 

 (As preciosidades que vou encontrando enquanto arrumo livros nas estantes)

 

 

 

19.07.16

Cruz Credo, Que Susto!


Margarida

 

 

E de um lugar do além

feito de imaginação

onde o perfeito acontece

alguém me chama com força

desperto de tropeção

caio na realidade 

tombo no meu coração.

 

 

 

 

 

 

18.07.16

Notícia Escaldante.


Margarida

É noticia de destaque. Pareçe que finalmente "há um português que descobriu que a insonia pode comprometer o funcionamento do cerebro" 

Nem li mais.

 

Oh homem! andas com o hipotalamo avariado, o Egas Moniz já sabia disso pá!

 

Homem, estágio 2 e vai dormir que isso passa.

 

images.jpg

 

 

 

 

 

 

16.07.16

Da Alma da Gente.


Margarida

IMGP0355.JPG

 

Não sou uma mulher tranquila, tenho dúvidas e crises ciclotímicas. Crio e apago blogues à velocidade do vento, mas dou-me o direito de repetir o que escrevi, de rever também o que escrevi.

Escolhi uma profissão complicada, às vezes sinto a impotência de não puder ajudar mais.Os doentes de Alzheimer ficam parados numa qualquer colina, um hiato de tempo que os fascina e repetem sem parar.

Quando por fim acabo e dou por mim, é tarde, estou esgotada, quase tão perdida no tempo e espaço quanto eles. De tanto os puxar para a vida, acabo eu gaguejante, obliterada, a precisar de silêncio com urgência.

Aos poucos o silêncio surte efeito, aconchego-me nas restias de Sol, no azul do fim de tarde na simplicidade do momento.

As maquinações do mundo ficam lá fora, a dor da alma do mundo, a televisão e o único jornal que compro, um semanário,fica por ler.

Apanho o primeiro livro à mão, e perco-me nas razões que relembro para saber conjugar o futuro.

Não admiro os Tonys do dia, nem as “garças” que se mostram em desespero de notícias estúpidas para serem lembradas, pela estupidez, penso. 

Há também quem arme ciladas de morte e se esqueça do caracter cíclico dos acontecimentos com uma volta na ponta, como a pescada.

Quem disse que a vida obedece à escória à trafulhice e ao engano. Desenganem-se. Aquilo que melhor resiste em nós, só pode ser encontrado no coração, na qualidade do coração, no rio que corre nas veias.

Ajudam-me a encontrar o trilho; silêncio dourado e os autores que leio e me fascinam e me dizem que o que se espera, com esperança e fé, sempre se alcança.

 

 

15.07.16

Sem titulo, mesmo


Margarida

220px-Nice-night-view-with-blurred-cars_1200x900.j

 

 

 Não ficam palavras para falar sobre o horror do atentado em Nice. Estranho e difícil mundo em que agora vivemos.

Nice é uma cidade lindíssima, passeei algumas vezes com meus filhos ainda pequenos na Promenade des Anglais. Em nome de quê se assassina? crianças homens e mulheres inocentes, porquê tanta raiva e maldade.

Resta-me um silêncio de espanto, de agonia e impotência.

 

 

 

 

 

14.07.16

Ocasionalmente


Margarida

Aos mortais, é concedido o dom da estupidez e arrogância tal como aos deuses.

Ocasionalmente dou-me ao luxo da asneira banal e ofensiva, quase é impossível ser original nisso.

Algumas banalidades descritas em bom tom sustentam inteligências, por aqui nem o banal resulta e recuso-me a ir procurar assunto ou traduzir página alheia.

Correndo o risco de me banirem por defeito e mal dissencia, vou voltar ao correcto e absolutamente pacifico, prometo, aos quatro ou cinco que me lêem.

 

 

13.07.16

Bebam Vocês pelo Penico.


Margarida

600.jpg 

crédito-www,maisfutebol.iol.pt

 

Na família,somos todos adeptos ferranhos de futebol. Todos da mesma cor futebolística e todos pela Selecção Portuguesa. Somos assanhados e perdemos compostura, chamamos nomes pouco simpáticos a quem nos tenta derrubar com estultícia e manha, e quando perdemos por mais valia do adversário, ficamos tristes, acabrunhados, calados,mas à espera da próxima porque da próxima vamos ganhar, nunca desistimos. Assim são os onze milhões de Portugueses também.

Não sei se esta  fantástica onda de Nacionalismo vai acabar tão cedo, tomara que nunca acabe e se estenda a outras questões que Portugal tem para resolver. Só mesmo a Selecção Portuguesa de Futebol uniria os quatro cantos do mundo onde se fala Português e onde o coração deixou raízes.

Somos Campeões. Sempre fomos Campeões em muito da historia portuguesa, talvez pelas dificuldades que nos impõem, às vezes esmorecemos, mas 23 homens com garra, inteligência e um coração enorme, lembraram-nos a honra de ser Português.

Como não quero falar mais do que devo sobre futebol, porque pouco sei e já todos disseram tudo,não só sobre a Vitória mas também sobre as questões sociais à mistura, as porteiras os trolhas as domésticas, vou apenas contar como a família S. se juntou em casa do mano-mais-velho, 11 pessoas espalhadas pela sala, o velho cachecol do meu falecido pai sobre a televisão para dar sorte, a mesa coberta com uma toalha feita de bandeiras de Portugal, e todos aos berros de cada vez que os franceses nos roubavam a bola, nojentos de merda são os francius da imprensa, nojento de merda é o treinador franciu que antecipadamente sabia como neutralizar Ronaldo, viu-se como.

Não choramos, só gritamos cada vez mais alto, e quando Eder marcou o golo da vitória o meu filho- caçula-  velho gritou golo durante 5 minutos sem parar, cause nos fodia ostimpanos. E ainda ele, no fim, quando os francius ficaram cabisbaixos, aproximou-se da televisão e fez o gesto de fodê-los, foi risota geral.

Como disse, somos ferranhos, Portugueses marados com futebol e absolutamente Nacionalistas.

A Taça é Nossa.

Os franceses que bebam pelo penico.

Pág. 1/2